CP desrespeita património público

ago 12, 2019

 
As imagens acima expostas provocam um sentimento de indignação e, principalmente, impelem a alguma reflexão. Trata-se de imagens datadas de agosto de 2019, tiradas na estação da Régua (linha do Douro), e nas quais se pode constatar o estado de consideração que a CP- COMBOIOS DE PORTUGAL, E. P. E. presta ao seu património. Face ao que aí se demonstra, cabe perguntar:
– Será uma inevitabilidade ter de se deixar o património público chegar a esse estado deplorável de incúria?
– Não ferirá os mais elementares princípios de consciência ética dos gestores públicos responsáveis — que existem — deixar as situações arrastarem-se até ao estado aí demonstrado?
– Mesmo que se assuma (o que, note-se, será inaceitável) que a "ética" seja coisa de somenos, respeitarão tais gestores, ao menos, os mais elementares princípios de gestão empresarial?
Impende sobre todos nós — repete-se: sobre todos nós — deveres de preservação e proteção do património público, aqui se abrangendo os edifícios, monumentos, jardins, parques, pontes, estradas, fontes, veículos, etc., e tais deveres encontram a sua justificação no facto de se tratar de bens coletivos, que são de todos. Além disso, a não manutenção dos mesmo implica custos para o Estado que, em última instância, sobre todos acabará por impender, sob a forma de impostos, taxas, tarifas, contribuições, preços, etc.
Bem o sabemos.
Ora, se tais deveres impendem sobre todos os cidadãos e empresas em geral, por maioria de razão, impenderão sobre os gestores públicos, até porque estes são pagos pelo erário público precisamente para isso - para cuidar do bem público.
As fotos que aqui se apresentam são a negação desses deveres; demonstram negligência, incúria, abandono e desprezo pelos mais elementares valores de uma sociedade democraticamente adulta. Sim, porque a democracia não se esgota num voto de 4 em 4 anos, mas exige muito mais do que isso: exige solidariedade, respeito pelo próximo, preservação do ambiente, proteção do património público, e muito mais.
É de supor que haja verdadeiros gestores públicos na CP e que, havendo-os, os mesmos terão, ou deverão ter, consciência do absurdo acima exposto. Se não têm, não são competentes.
Convém frisar que, nos termos dos respetivos estatutos (art.º 3.º, disponíveis em https://www.cp.pt/StaticFiles/Institucional/1_a_empresa/1ModeloGoverno/estatutos.pdf), a CP é uma entidade totalmente pública — das poucas que ainda restam — cujo capital é detido integralmente pelo Estado, e que está indubitavelmente obrigada a observar os "princípios de boa gestão empresarial", no âmbito dos quais a incúria e o abandono seguramente não se incluirão.
Uma nota suplementar: o "material" exposto nas fotos certamente gerará custos, pois seguramente obrigará ao pagamento de taxas de parqueamento, pela utilização (!?) das linhas férreas...

Enfim, não se tem a pretensão, e muito menos a ilusão, de acreditar que estas linhas convençam alguém responsável a mudar o estado de coisas. Se tal acontecesse, seria perfeito. Porém, ainda que não aconteça, a nossa associação cumpre o seu dever de comprometimento cívico e constitucional, expondo e denunciando.

Joaquim Freitas da Rocha

4 Comentários

  1. José Correia

    Tomou o articulista em consideração que talvez o Museu Nacional Ferroviário tenha dito que quer este material? Informou-se sobre a ditadura daquela organização sobre o património impedindo que a CP faça seja o que for e, ao mês tempo não faz nem deixa fazer?
    É fácil malhar na CP. Este artigo poderia e deveria ouvir todas as partes e não seguir o caminho fácil da censura da CP e de quem aí trabalha. Um pouquinho de investigação e ganhávamos todos na qualidade e na verdade.

    Responder
    • comboiosxxi

      Bem gostaríamos que a CP nos desse informação. Mas tanta temos pedido, sem resultado que, por vezes nem tentamos…
      Vamos pedir também sobre esta situação para ver se diz algo.

      António Cândido de Oliveira

      Responder
    • Nuno Gomes

      José Correia, não estamos a fazer jornalismo, somos uma associação que levanta a atenção para problemas existentes. Associativismo e jornalismo são coisas diferentes, não se pode ter as mesmas exigências para as duas atividades.

      Responder
  2. Carlos Pinheiro

    No Apeadeiro de Águas Santas Palmilheira os elevadores estão constantemente avariados ficando por diversas vezes pessoas lá presas. O da linha 1 é o que mais avaria.
    Nos cais o lixo e dejectos humanos e de cão é uma constante.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *